Últimas Notícias do Mundo Acadêmico:

Greve dos professores municipais já é a mais longa desde 87

4/7/2006 

FÁBIO TAKAHASHI
da Folha de S.Paulo

A greve dos professores e funcionários das escolas municipais, que já dura dez dias, é a mais longa da rede desde 1987. Hoje haverá nova assembléia, mas a tendência é que a paralisação continue.

O levantamento foi feito pelo Sinpeem (Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo). Em 1987, a greve durou 17 dias. A Secretaria da Educação afirmou que não possui tal contabilização.

Para o presidente do Sinpeem, Claudio Fonseca, "o rebaixamento salarial dos últimos anos" é uma das principais causas para a atual mobilização. A categoria reivindica que o salário inicial seja de R$ 960. Hoje um docente com ensino superior e jornada de 20 horas semanais ganha R$ 615.

Se por um lado a greve está sendo usada para pressionar o prefeito Gilberto Kassab (PFL) a conceder aumento salarial, por outro a paralisação irrita pais de alunos.

"Para onde vou, preciso levar o meu filho. Ele está há uma semana sem aula", disse Maria do Carmo, 34, mãe de um estudante da Emef Marechal Esperidião Rosas, no Jaguaré (zona oeste de SP).

Apesar da reclamação de pais, a tendência na assembléia de hoje é que a paralisação seja mantida. "Até agora, não tivemos proposta da prefeitura", disse Fonseca. O ato está marcado para as 14h, no vão livre do Masp, na av. Paulista.

O secretário de Gestão, Januário Montone, afirmou que já foi feita uma proposta à categoria, de pagamento em julho de R$ 350, referente à gratificação por desenvolvimento educacional. "Eles não aceitaram. Agora, é esperar eles voltarem. Fazemos um apelo aos professores que retornem às aulas." Na próxima semana, a prefeitura poderá fazer uma proposta de reajuste salarial.

Segundo o Sinpeem, a paralisação atinge 75% das escolas da rede, totalmente ou parcialmente. Já a prefeitura afirma que em 10% das unidades a paralisação é intensa e em outras 10%, menos intensa --nos outros 80%, as atividades estão normais.

Procurado pela Folha, o novo secretário da Educação, Alexandre Schneider, informou, por meio da assessoria de sua pasta, que apenas a Gestão pode se manifestar sobre o assunto.

Voltar


 
replica watches ukrolex replica salefake watchesrolex replica ukfake rolex salereplica watches
Pagina ptrotegida contra cópia por Copyscape