Últimas Notícias do Mundo Acadêmico:

Universitário forasteiro enfrenta hostilidade

7/11/2006 

THIAGO MOMM
enviado especial da Folha de S.Paulo a Florianópolis

São cerca de 10 mil novos moradores por ano em uma população que mal ultrapassou 400 mil. Florianópolis infla, e os paulistas se tornam os menos desejados dos forasteiros. Chamados de "haoles" (estrangeiros, em havaiano), universitários motivam pichações e reclamam de hostilidade em aulas, praias e trânsito.

Canetadas em três portas de um banheiro da UFSC resumem a contrariedade com a "invasão": "Os paulistas são os nordestinos de Floripa", diz um rabisco, respondido com: "Só que eles só dominaram favelas e nós vamos dominar tudo".

Na principal universidade da ilha, a federal, alunos de São Paulo foram 606 e 597 aprovados em 2005 e em 2006. Aluna de uma sala a 50 metros dali, a estudante de direito Débora Reparato, 21, não foi apenas acusada de roubar vagas dos locais. Como é de São José do Rio Preto, disse a uma professora que queria viajar com a família no final de ano --devido a uma greve, a disciplina teria aulas em dezembro. Recebeu a resposta: "Quem mandou vir fazer faculdade aqui?".

A três quilômetros da UFSC, na Universidade do Estado de Santa Catarina, os paulistas dificilmente são mais que dois em uma sala, mas em alguns cursos o sotaque começa a ser sentido --e repelido. Isabela Grotto, 20, que é de Campinas e estuda moda, ouviu na primeira aula da então coordenadora do curso, Icléia Silveira, que "a universidade é paga pelos impostos dos catarinenses, então os catarinenses deveriam ter mais direitos" de estudar nela. À Folha, a professora repetiu o argumento e lamentou que o curso de moda tenha chegado a contar com apenas 11 alunos de Santa Catarina em 45 matriculados. Sobre abordar o assunto em sala, afirmou que o tom usado é sempre de brincadeira.

Outra aluna paulista do curso de moda, que não quis se identificar, teve problemas fora da universidade: estacionou na praia da Armação e o xingamento "haole" foi talhado à chave na porta do carro. A placa é de São Paulo. O florianopolitano Cristiano, 24, que não revela o sobrenome, conhece os autores desse tipo de protesto. São integrantes da comunidade do Orkut "Fora Haole", criada por ele e hoje com mais de 2.400 membros.

"São caras que, quando vêem um paulista, querem grudar no pescoço, mandar embora." Os ilhéus mais radicais filiados à "Fora Haole" vendem adesivos e camisetas, picham muros, hostilizam pessoas de fora nas boates e no trânsito. "Dar informação errada ou não ajudar é normal", diz Cristiano. Os seis universitários entrevistados que dirigem em Florianópolis com placas paulistas relataram animosidades. A solução, dizem, é usar placa da cidade. Segundo levantamento do Detran local, de abril a junho, São Paulo liderou os pedidos de transferência.

THIAGO MOMM participou do 41º Programa de Treinamento em Jornalismo Diário da Folha, que foi patrocinado pela Philip Morris Brasil

Voltar


 
replica watches ukrolex replica salefake watchesrolex replica ukfake rolex salereplica watches
Pagina ptrotegida contra cópia por Copyscape