Últimas Notícias do Mundo Acadêmico:

Vestibulares de IME e ITA ignoram humanas

5/9/2006 

da Folha de S.Paulo

"Nossos alunos estudam, em média, 16 horas por dia. Há aulas de segunda a sábado. Aos domingos, realizamos simulados." Esta é a rotina dos candidatos a uma vaga no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) ou no IME, descrita pelo professor Marcelo Pelisson, coordenador da "turma ITA" do cursinho Poliedro.

No ITA, o processo seletivo se dá em quatro dias, cada um com uma prova de quatro horas de duração. Os exames são de matemática, física, química, português e inglês, sendo que só as provas de exatas contêm perguntas dissertativas.

No IME, são as mesmas matérias, dividas em cinco dias, um com questões objetivas das três disciplinas de exatas e os outros quatro com perguntas dissertativas de cada uma das áreas abordadas (português e inglês são no mesmo dia). Além disso, há um exame de inspeção de saúde e outro de aptidão física, ambos de caráter eliminatório.

Os exames são tidos entre os mais difíceis do país. "Eles não têm a interdisciplinaridade que as questões da Fuvest possuem, mas o nível é mais alto. No ITA, as questões objetivas e discursivas têm o grau de dificuldade das da segunda fase da Fuvest, com a diferença que os candidatos são mais bem preparados", analisa o professor.

Já para Luiz Erasmo Kotsugai Moreira, aluno do terceiro ano do ITA e definido por Pelisson como "brilhante", "é consenso que a prova de física é a mais difícil".

Moreira conta como era sua rotina de estudos no ano em que se preparou para entrar no ITA: "Eu me dedicava bastante. Raramente faltava, fazia todas as tarefas e as revisões. Assistia às aulas das 13h até a noite. Chegava em casa perto das 21h. Acordava às 8h e começava a estudar."

Voltar


 
replica watches ukrolex replica salefake watchesrolex replica ukfake rolex salereplica watches
Pagina ptrotegida contra cópia por Copyscape